terça-feira, 15 de maio de 2018

Conjunto Histórico de Pelotas (RS) agora é Patrimônio Cultural do Brasil

O Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural decidiu, por unanimidade, pelo tombamento do Conjunto Histórico de Pelotas (RS). A reunião ocorreu na manhã desta terça-feira (15), na sede do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em Brasília. A partir de agora, as praças, José Bonifácio, Coronel Pedro Osório, Piratinino de Almeida, Cipriano Barcelos e o Parque Dom Antônio Zattera, conjuntamente com a Charqueada São João e a Chácara da Baronesa são reconhecidas como Patrimônio Cultural Brasileiro.

O Conjunto Histórico de Pelotas
Quatro praças, um parque, a Chácara da Baronesa e a Charqueada São João integram o Conjunto Histórico de Pelotas e têm significativo valor histórico, artístico e paisagístico. É essa riqueza cultural que se deseja preservar. Dessa forma, caso aprovado pelo Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, o Conjunto Histórico de Pelotas pode ser inscrito em três Livros do Tombo: Livro do Tombo Histórico, Livro do Tombo de Belas Artes e Livro do Tombo Arqueológico, etnográfico e paisagístico.

Uma característica particular do Conjunto Histórico de Pelotas é que, considerando o sistema municipal de patrimônio cultural estabelecido pelo Plano Diretor de Pelotas, será desnecessária a delimitação de poligonal de entorno, uma vez que o bem protegido pelo Iphan está totalmente inserido nas Zonas de Preservação do Patrimônio Cultural, que após análise verificou-se assegurar a preservação da vizinhança e ambiência da coisa tombada, nos termos do Decreto-Lei 25/1937.

Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural
Conselho que avalia os processos de tombamento e registro é formado por especialistas de diversas áreas, como cultura, turismo, antropologia, arquitetura e urbanismo, sociologia, história e arqueologia. Ao todo, são 22 conselheiros, que representam o Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB), a Associação Brasileira de Antropologia (ABA), o Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (Icomos), a Sociedade de Arqueologia Brasileira (SAB), o Ministério da Educação, o Ministério do Turismo, o Instituto Brasileiro dos Museus (Ibram), o Ministério do Meio Ambiente, Ministérios das Cidades, e mais 13 representantes da sociedade civil, com especial conhecimento nos campos de atuação do Iphan. A 88ª Reunião do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural traz a nova formação de conselheiros.

Mais informações para a imprensa
Assessoria de Comunicação Iphan
Fernanda Pereira – fernanda.pereira@iphan.gov.br
Adélia Soares – adelia.soares@iphan.gov.br
(61) 2024-5511- 2024-5513 - 2024-5531
(61) 99381-7543
www.facebook.com/IphanGovBr | www.twitter.com/IphanGovBr
www.youtube.com/IphanGovBr



















Crédito das Imagens: do site Iphan

terça-feira, 8 de maio de 2018

Fóssil de réptil que viveu há mais de 230 milhões de anos é descoberto no Rio Grande do Sul



Pesquisadores acreditam que a nova espécie, denominada como 'Pagosvenator candelariensis', tenha sido encontrada em Candelária. Conforme o estudo, animal faria parte da linhagem que deu origem aos crocodilos.

Um grupo de pesquisadores do Rio Grande do Sul descobriu uma nova espécie de réptil fóssil pré-histórico, que viveu há aproximadamente 237 milhões de anos. O estudo foi feito por paleontologistas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), e um artigo foi publicado no periódico britânico Zoological Journal of the Linnean Society, em abril deste ano.
A nova espécie foi denominada como "Pagosvenator candelariensis", e teria sido encontrada no município de Candelária, no Vale do Rio Pardo, distante cerca de 190 km de Porto Alegre. Como o fóssil foi doado anonimamente para o Museu Municipal Aristides Carlos Rodrigues, em Candelária, não é possível saber com exatidão o local em que foi encontrado. Porém, os pesquisadores dizem que a análise dos elementos químicos presentes no objeto, as características da espécie e o período de sua formação indicam que é bastante provável que o fóssil estivesse na região.
"Cada fóssil tem como se tivesse uma impressão digital, falando metaforicamente, que identifica a localidade a partir da rocha de onde ele veio. Se você conseguir analisar isso, consegue estabelecer uma conexão, para identificar o local. Nós analisamos a taxa de terras raras encontrada e é possível identificar de onde veio", relata o líder da pesquisa, Marcel Lacerda, ao G1.
O fóssil entregue aos pesquisadores tinha crânio e uma mandíbula quase completos, o que é considerado bastante raro. Algumas vértebras do pescoço e placas ósseas também chegaram ao grupo de pesquisa, que diz ser similar aos dos crocodilos atuais. Para realizar o estudo, foram utilizadas técnicas de tomografia computadorizada, a partir das quais os cientistas tiveram acesso a diversas informações sobre a anatomia do animal sem danificar o material.
Lacerda conduziu o trabalho durante seu doutorado no Programa de Pós-Graduação em Geociências da UFRGS, e conta que Pasgosvenator era um animal de médio porte, com até três metros de comprimento, e, com base na comparação com outras espécies semelhantes já conhecidas, existe forte evidência de que seria um quadrúpede. Os dentes longos e recurvados indicam que o animal apresentava uma dieta carnívora, possivelmente baseada em pequenos e médios animais.
O professor de Paleontologia da Univasf Marco França, coautor do estudo, explica que o Pagosvenator pertence ao grande grupo dos arcossauros, que apresenta duas linhagens evolutivas: uma formada pelos ancestrais dos crocodilianos modernos e outra que inclui aves e dinossauros.
"A nova espécie descrita não tem relação com as aves e os dinossauros, ela está na linhagem que deu origem aos crocodilos, embora ainda seja muito distante destes. Mais especificamente, o grupo em que o Pagosvenator se insere é denominado de Erpetosuchidae, sobre o qual, apesar de ser conhecido e estudado há muito tempo (desde o século XIX), não se possui muitas informações sobre a anatomia e as relações de parentesco entre seus componentes, já que é representado apenas por espécimes incompletos", explica França.
Fósseis desse grupo foram encontrados na Europa, nos Estados Unidos, no leste da África e na Argentina. O fóssil que está no Rio Grande do Sul é a primeira ocorrência desse grupo no Brasil.
O nome da nova espécie foi dado em homenagem a Candelária, considerado um município importante para a paleontologia. Pagosvenator candelariensis significa "o caçador da região de Candelária". Pagos é um jargão gaúcho usado para se referir ao lugar de onde veio o material, derivado do latim pagus, que significa aldeia, região, província; e venator é um termo em latim que significa caçador.

Espécie vivia no Período Triássico

De acordo com o estudo, essa espécie vivia no Período Triássico – que durou entre 251 até 201 milhões de anos. Esse é o primeiro período da Era Mesozoica, considerado um importante momento na história da vida dos animais terrestres, por ser o intervalo temporal no qual surgiram os primeiros dinossauros, além dos ancestrais dos lagartos, dos crocodilos e dos mamíferos atuais.
"Este trabalho é importante porque soma aos outros trabalhos na área que buscam compreender como era a região há 230 milhões de anos", afirma o professor do Departamento de Paleontologia e Estratigrafia da UFRGS Cesar Schultz, que também participou da pesquisa.
"Graças a estes estudos, hoje sabemos que os predadores desta época eram bem diversos. Vários deles, como Pagosvenator candelariensis, eram maiores que os dinossauros nessa época", complementa França.
Para o líder da pesquisa, a descoberta amplia o conhecimento das espécies fósseis do Rio Grande do Sul e aumenta a compreensão dos processos evolutivos que levaram à diversidade de registros fósseis do estado.
"Toda informação nova é útil para conseguirmos entender como eram o ambiente e a fauna daquela época. São informações que ajudam a contar a história da diversidade da vida daquele período", enfatiza o pesquisador.
O trabalho foi realizado com financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (Facepe).

Fonte: https://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/fossil-de-reptil-que-viveu-ha-mais-de-230-milhoes-de-anos-e-descoberto-no-rio-grande-do-sul.ghtml















Como seria o Pagosvenator candelariensis no seu habitat da época (Foto: Ilustração Renata Cunha/UFRGS/Divulgação)

Acima, foto do crânio do fóssil. Abaixo, imagem de tomografia computadorizada (Foto: UFRGS/Divulgação)
























Acima, foto do crânio do fóssil. Abaixo, imagem de tomografia computadorizada (Foto: UFRGS/Divulgação)

quinta-feira, 3 de maio de 2018

Missões Jesuíticas Guaranis - no Brasil, ruínas de São Miguel das Missões (RS)

As Missões Jesuíticas Guaranis, como um sistema de bens culturais transfronteiriços envolvendo o Brasil e a Argentina, compõem-se de um conjunto de cinco sítios arqueológicos remanescentes dos povoados implantados em território originalmente ocupado por indígenas, durante o processo de evangelização promovido pela Companhia de Jesus nas colônias da coroa espanhola na América, durante os séculos XVII e XVIII. Inscritos na Lista do Patrimônio Mundial, em dezembro de 1983, esses remanescentes representam importante testemunho da ocupação do território e das relações culturais que se estabeleceram entre os povos nativos, na maioria do grupo étnico Guarani, e missionários jesuítas europeus. No Brasil, estão localizadas as ruínas do sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo, mais conhecido como ruínas de São Miguel das Missões.
Esses bens também expressam em parte a experiência da Companhia de Jesus no território americano, produzida na chamada Província Jesuítica do Paraguai, que compreendia um sistema de relações espaciais, econômicas, sociais e culturais singulares, conformada à época por 30 povoados, chamados de reduções. Esse complexo incluía ainda estâncias, ervais, redes de caminhos e vias fluviais estendidas pela bacia do Rio Uruguai e de seus afluentes. A experiência, produzida durante os séculos XVII e XVIII, abrangia uma extensa área da América Meridional, correspondente, nos dias atuais, a regiões do Paraguai, Argentina, Uruguai e Brasil.
Os elementos integrantes do conjunto declarado não se encontram ameaçados, sendo preservados pela atuação direta da ação governamental principalmente, tanto na Argentina como no Brasil. No caso brasileiro, os vestígios materiais existentes do sítio - corpo principal da igreja, campanário e sacristia, partes das construções conventuais, fundações e bases das habitações indígenas, praça, horto, canalizações pluviais, objetos sacros - permitem expressar este singular modelo de ocupação territorial permeado pela interação e troca cultural entre os povos nativos e os missionários europeus.
No sítio de São Miguel Arcanjo, a legibilidade e o entendimento da configuração espacial do sítio, capaz de expressar o cotidiano da redução, podem ser atestados por documentos que descrevem sua implantação e organização. A sua autenticidade física está mantida pelos materiais e técnicas construtivas originais. As intervenções ocorridas ao longo dos anos datadas desde a época de funcionamento da redução foram executadas para manter a estabilidade estrutural do bem. Tais intervenções estão identificadas e mapeadas.
Em 1938, esses remanescentes foram tombados como patrimônio nacional. Dois anos depois, foi criado o Museu das Missões, destinado ao recolhimento e à guarda da estatuária da Igreja de São Miguel. Em 1983, juntamente com as Missões localizadas em território argentino de San Ignacio Mini, Santa Ana, Nuestra Señora de Loreto e Santa María La Mayor, São Miguel das Missões foi declarada Patrimônio Cultural Mundial pela Unesco. Esses locais são considerados, atualmente, monumentos históricos com finalidade cultural e turística expressiva, e altamente significativos para o desenvolvimento local das comunidades envolvidas. Como exceção, esses sítios são usados para eventos religiosos ou recreativos.

Fonte: http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/39


























































































Crédito das Imagens: do site

terça-feira, 1 de maio de 2018

De luxo modernista à ocupação precária: a história de mais de meio século do prédio que desabou em São Paulo

Projetado na década de 1960, edifício tinha como marca a fachada envidraçada, que lhe rendeu o apelido de "pele de vidro" 

A torre que pegou fogo e desabou na madrugada desta terça, 1º, no Largo do Paissandu, em São Paulo, era um dos marcos arquitetônicos da cidade e tombada pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp). Com 24 andares, além de dois pisos de sobrelojas comerciais, e 11 mil m² de área construída, o Edifício Wilton Paes de Almeida, na rua Antonio de Godoi, foi projetado na década de 1960 para abrigar a sede da empresa Cia. Comercial Vidros do Brasil (CVB).

O prédio era considerado a maior obra do arquiteto Roger Zmekhol (1928-1976). Filho de imigrantes sírios, Zmerkhol, nasceu em Paris e veio para o Brasil ainda criança. Ele era professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da Universidade de São Paulo.

Sua característica marcante era a enorme fachada envidraçada, que lhe rendeu o apelido de "pele de vidro". Um artigo de 1965 da extinta revista de arquitetura Acrópole ressaltava outras características do prédio, como o primeiro da cidade a ter sistema de ar-condicionado central e seu hall de mármore e aço inoxidável.

Para o arquiteto Francesco Perrota-Bosch, o desabamento do Wilton Paes de Almeida também é uma "tragédia arquitetônica".

– Ele era um ponto fora da curva na arquitetura, era um prédio de vanguarda. Era um projeto com muita influência do minimalismo do Mies van der Rohe (arquiteto alemão) em sua fase americana. Mas a principal referência era o edifício Lever House, de Nova York, do escritório SOM (Skidmore, Owings e Merrill) – diz ele à BBC. A fachada de vidro dele marcou uma época, precisou ser importada porque não era feita no Brasil. 

Era justamente essa fachada de vidro que fazia a ocupação do edifício por pessoas sem moradia ser diferente das outras pela cidade, segundo o arquiteto Gustavo Cedroni, do escritório Metro, que fez um projeto de intervenção urbana no Largo do Paissandu, em 2014.

– Normalmente, os prédios ocupados têm janelas pequenas e são fechados, você não vê o que acontece. Ali, não. Justamente por ser envidraçado, era possível ver a ocupação lá dentro. Era um prédio icônico, numa esquina importante do centro da cidade – diz ele à BBC Brasil.

A arquiteta Nadia Somekh, professora emérita da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Mackenzie e integrante do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil, afirma que o desabamento do Wilton Paes de Almeida é uma "perda enorme" para o patrimônio histórico de São Paulo. 

– Fora a tragédia como um todo, o prédio era um marco da arquitetura modernista de São Paulo – diz ela. É preciso pensar em uma política habitacional mais consistente para a cidade e que preserve o nosso patrimônio histórico. É simbólico que este edifício venha abaixo justo no 1º de maio, com essa desvalorização do trabalho no país.

Uma reportagem da Folha de S. Paulo de janeiro de 2017 dizia que o Edifício Wilton Paes de Almeida foi a leilão em 2015, no valor de R$ 21,5 milhões, mas não houve interessados. 

O local abrigou durante 23 anos a sede da Polícia Federal em São Paulo e, até 2009, uma agência do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

Ainda de acordo com a Folha, em 2012, a Secretaria de Patrimônio da União cedeu o prédio para a Unifesp, que instalaria ali o Instituto de Ciências Jurídicas. Mas o projeto não vingou, assim como outro que pretendia transformar o local em um polo cultural em parceria com o Sesc (Serviço Social do Comércio). 

Igreja luterana destruída

Ao lado do edifício funcionava uma centenária igreja luterana, a Martin Luther, que também era tombada. O pastor Frederico Ludwig, 61, há 20 anos à frente da igreja fundada por imigrantes alemães, diz que ela ficou 80% destruída. 

– Sobrou praticamente só o altar e a torre – afirma ele à BBC Brasil.

Ludwig conta que a igreja havia sido reformada recentemente, em obra com custo total de R$ 1,3 milhão.

– O prédio estava inclinado havia pelo menos 20 anos, quase um metro pra frente. A gente chamou as autoridades várias vezes e não deu em nada. Agora estamos assim, vamos recolher os escombros. As pessoas da ocupação eram pessoas boas - claro que tem um ou outro que não, mas a maioria era. Nós fazemos trabalho com pessoas em situação de rua e eles vinham à igreja – diz o pastor. Não questionamos a invasão, mas as condições em que as pessoas viviam. Tinha esgoto a céu aberto e no verão era enxame de mosquito. 

Do glamour à degradação

Em 2015, o repórter da BBC Brasil Felipe Souza esteve no Wilton Paes de Almeida para fazer uma reportagem para a Folha de S. Paulo. Em seu relato, ficam registrados recados na parede, um entra e sai constante de pessoas e, apesar de um segurança na porta, nenhuma dificuldade para entrar e circular pelo edifício:

– Na época, subi os 24 andares do prédio sem ser identificado, como se tivesse interessado em morar no local.

Ele conta que o cartaz mais evidente na entrada listava uma série de regras de convivência, como a proibição do uso de bebidas alcoólicas e drogas dentro do prédio. Naquele ano, cada morador pagava entre R$ 150 a R$ 200 por mês para morar na ocupação. Os líderes do movimento diziam que a taxa servia para fazer a manutenção e limpeza do prédio. Os valores mais recentes ficavam em torno de R$ 400.

– Apesar da taxa, todos os andares eram ocupados por lixo produzido pelos moradores e entulho deixado durante a desocupação da Previdência. Era possível encontrar roupas, preservativos, seringas, embalagens plásticas e muitos móveis amontoados pelos andares. Havia vazamentos nas tubulações de água e as paredes e janelas tinham pichações – recorda.

Cada piso era habitado por mais de dez famílias e tinha uma rotatividade muito alta, segundo o repórter. 

– As pessoas não pagam ou fazem muita bagunça e a gente pede para que elas saiam – disse a ele uma das administradoras do local naquele ano.

– Ainda assim, a maior parte dos banheiros estava alagada e com as paredes completamente mofadas. Ratos, baratas e aranhas eram vistos com frequência. A fiação, assim como em todo o prédio era exposta devido às ligações clandestinas feitas pelos moradores – conta Souza. 

Segundo os moradores contaram ao jornalista, a energia era desviada de semáforos da região. Havia tantos moradores que alguns aproveitavam para oferecer serviços, como cabeleireiros, manicure e venda de geladinho.

Entre os moradores, também havia taxistas, vendedores, garotas de programa e motoboys. Ao serem questionados, eles contavam diferentes motivos para morar na ocupação, como a proximidade com o trabalho e alternativa a morar nas ruas. Mas era unânime o relato de que nenhum deles tinha condições de pagar um aluguel.

Fonte: https://gauchazh.clicrbs.com.br/geral/noticia/2018/05/de-luxo-modernista-a-ocupacao-precaria-a-historia-de-mais-de-meio-seculo-do-predio-que-desabou-em-sao-paulo-cjgo3bexk01kp01palv3e5fu4.html








Edificação foi construída para ser sede da Cia. Comercial Vidros do Brasil
Reprodução / Google Maps
Atingida pelo desabamento, igreja luterana construída por imigrantes alemães era tombada
Nelson ALMEIDA / AFP
O pastor Frederico Ludwig conta que a igreja luterana Martin Luther, também foi destruída pelo incêndio

quinta-feira, 12 de abril de 2018

Pedras fundamentais de Stonehenge estavam lá antes da Humanidade existir

Segundo arqueólogo, a localização do monumento não foi escolhida ao acaso, mas por um fenômeno naquela posição específica

Feito em algum ponto entre 5 mil e 4 mil anos atrás, Stonehenge é desses lugares com uma aura de mistério. Como pedras de até 50 toneladas foram carregadas para lá, de uma pedreira a 30 km de distância, como foram empilhadas e por quê?
Essas perguntas tem respostas hipotéticas (veja ao final). Mas uma outra acaba de ser respondida a contento: por que foi feito onde foi? E não, digamos, convenientemente perto das pedreiras?
O arqueológo independente Mike Pitts, que fez extensas escavações no local no fim dos anos 70, acaba de publicar um estudo que, acredita, responde a isso. Numa longa matéria no Journal of British Archaeology ("Journal de Arqueologia Britâniica), argumenta  que as partes mais fundamentais de Stonhenge sempre estiveram lá. 
Ao lado das chamadas Pedra do Calcanhar e a Pedra 16, havia indícios de covas naturais. O que, segundo ele, indica o local onde as pedras estavam originalmente, por possivelmente muitos milhões de anos. Elas simplesmente foram escavadas e levantadas numa nova posição. 
As duas pedras projetam uma sombra alinhada ao centro do monumento nos solstícios de verão e inverno. Como essas sombras parecem ter sido absolutamente fundamentais no funcionamento do monumento, a ideia é que as pessoas do neolítico notaram isso, as tornaram um ponto de reverência, e o monumento surgiu em volta delas. A Pedra do Calcanhar, inclusive, não foi trabalhada, mas mantida ao natural.
Na ilustração do arqueólogo, a Pedra do Calcanhar (heelstone) aparece no canto superior direito, a Pedra 16 (Stone 16), no inferior esquerdo. Borrões vermelhos indicam as covas Mike Pitts
Pitts afirma que não tem certeza absoluta de que sejam essas duas pedras as que estavam nas covas — testes químicos serão necessários para provar que elas não vieram da mesma pedreira que as outras, ou que não há outras pedras originais. Mas se mantém firme na teoria de que já havia algo no local de Stonehenge antes de Stonehenge. 
"Nada disso quer dizer que Stonehenge é uma criação mesolítica, de caçadores-coletores, e não povos agrícolas", afirma Pitts em seu blog. "Stonehenge em si continua, pelas evidências atuais, sendo algo que começou por volta do ano 3000 a.C. O que estou sugerindo é que, quando isso aconteceu, o local já estava atraindo as pessoas por provavelmente uma variedade de razões."
Assim como as pirâmides, Stonehenge não é um mistério tão grande assim. Testes práticos confirmaram algumas hipóteses principais, de que era possível, sim, fazê-lo com tecnologia neolítica. O mais aceito é que as pedras foram levadas com trenós ou troncos, empilhadas através de cordas, hastes e rampas, e o local era um templo com significado astronômico ligado ao solstício de inverno — um sentido que, de acordo com uma teoria mais recente, pode ser até sexual.
Fábio Marton
















Stonehenge à noite Foto:Shutterstock


quarta-feira, 11 de abril de 2018

Cientistas descobrem calendários incas no deserto do Atacama

Estruturas eram utilizadas para identificar e prever eventos astronômicos

Um grupo de cientistas descobriu no meio do deserto chileno do Atacama, o mais árido do mundo, várias "saywas" ou calendários de pedra, estruturas que os incas utilizavam para identificar e prever eventos astronômicos.

Entre março e junho do ano passado, quatro saywas - construções de pedra de aproximadamente 1,20 metro de altura - foram descobertas a 4.200 metros de altitude no deserto do Atacama por cientistas do Museu de Arte Pré-Colombiana e astrônomos do ALMA, que puderam constatar que estavam perfeitamente alinhadas com o ponto de saída do sol no equinócio de outono e no solstício de inverno.

"Através da sombra que projetam sobre o solo durante a saída do sol, as saywas permitem identificar e prever equinócios, solstícios e outros eventos astronômicos", indicou nesta segunda-feira um comunicado do observatório ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array), situado a 5 mil metros de altitude.

Após um ano de análises, os cientistas confirmaram a hipótese de que estas estruturas são marcadores astronômicos, estão alinhados com datas relevantes do calendário incaico e não se encontravam apenas em grandes cidades dessa civilização, como se acreditava até hoje.

Cusco, capital do império Inca e hoje uma cidade peruana turística, estava rodeada por estas saywas, que além de prever eventos astronômicos, mediam o tempo e eram importantíssimas para determinar as épocas de plantio e colheita.

Os astrônomos confirmaram, além disso, a incrível precisão com que podiam prever fenômenos naturais há mais de 500 anos.

— As saywas demonstram que os povos pré-colombianos lhe davam tanto ou mais preponderância ao céu que o que podemos apreciar hoje — afirma Juan Cortés, astrônomo do ALMA. 

Estas estruturas foram encontradas graças a imagens de satélite observadas pela historiadora Cecilia Sanhueza, membro da equipe, durante uma pesquisa que realizava sobre o Caminho do Inca.

As saywas foram descritas em documentos do século XVI e XVIII, e esta é a primeira vez que são encontradas perto do Caminho do Inca, o sistema de rotas que uniam as cidades deste império.

— O interessante foi encontrar estas saywas astronômicas no Caminho do Inca, ou seja, fora das grandes cidades, em lugares despovoados sem movimento aparente — declarou Carlos Aldunate, diretor do Museu Pré-Colombiano e um dos arqueólogos da pesquisa.

Os especialistas investigam agora por que motivo os incas instalaram estas estruturas de pedra em um lugar desabitado.

Fonte: https://gauchazh.clicrbs.com.br/tecnologia/noticia/2018/04/cientistas-descobrem-calendarios-incas-no-deserto-do-atacama-cjftm6ohf08w101phgd8mddy9.html?utm_source=facebook&utm_medium=gzh&utm_content=tecnologia


















Deserto do Atacama, no Chile
Ralph BENNETT / AFP PHOTO / ALMA (ESO/NAOJ/NRAO) AND AFP PHOTO


















Saywas encontradas no deserto do Atacama
Armin SILBER / AFP PHOTO / ALMA (ESO/NAOJ/NRAO)


















Deserto do Atacama, no Chile
Ralph BENNETT / AFP PHOTO / ALMA (ESO/NAOJ/NRAO) AND AFP PHOTO

sábado, 7 de abril de 2018

Arqueólogos encontram urna funerária indígena que pode ter mais de mil anos

Uma urna funerária que pode ser de mil anos atrás foi encontrada na Serra da Barriga em União dos Palmares, Zona da Mata de Alagoas.
O lugar é considerado um símbolo da resistência negra contra a escravidão. O sítio arqueológico do povo que resistiu por mais de 100 anos aos ataques de holandeses, portugueses e bandeirantes recebeu o título de patrimônio cultural do Mercosul.
Foi através de estudos que arqueólogos descobriram vestígios da presença indígena na área bem antes dos quilombos. E agora, novas descobertas arqueológicas estão sendo feitas no local. Uma equipe de pesquisadores de pernambuco faz escavação na área. O trabalho deve durar três meses.
Segundo o arqueólogo Scott Joseph Allen, milhares de fragmentos já foram encontrados na região ao longo dos anos. E agora, em menos de um mês de trabalho, os arqueólogos encontraram uma urna funerária.
“Nós temos materiais arqueológicos que vai da vida do indígena até a sua morte. Além da urna, nós também estamos cavando um piso de habitação. Ou seja, a oca indígena, o piso, onde eles moravam e viviam no seu cotidiano. Então nós temos da vida das atividades do cotidiano, cozinhando, brincando, e até o aterramento”, explicou o arquólogo.
Uma obra de pavimentação do acesso ao parque arqueológico, começou a ser feita na região e por isso, os arqueólogos foram chamados.
“O resgate arqueológico se faz necessário porque eles vão fazer o acesso ao Parque Memorial. Então nós sabemos que tem um sítio arqueológico no caminho, pelo menos uma parte. Estamos escavando pra resgatar tudo que nós podemos e nada ser destruído”, comentou Scott.
Há nove anos escavações como essa foram feitas na Serra da Barriga. Pela área que está sendo analisada desta vez, arqueólogos acreditam que é a maior escavação já feita no local. Todo material está sendo catalogado.
Alexandro dos Santos é de União dos Palmares e quando era criança, acompanhou uma escavação como essa e se interessou pela pesquisa. Hoje, ele trabalha ajudando os arqueólogos.
“É importante não só pra mim como para os moradores pra que tivesse mais interesse em asber um pouco da história, do que realmente houve aqui”, disse Alexandro.
A assessoria do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) informou que, como se trata de uma área tombada, todo trabalho de pesquisa e escavação foi autorizado e está sendo acompanhado pelo Iphan. Ainda segundo a assessoria, a pavimentação na subida da serra só vai ser autorizada quando o instituto fizer uma avaliação no local.

Fonte: https://g1.globo.com/al/alagoas/noticia/arqueologos-encontram-urna-funeraria-indigena-que-pode-ter-mais-de-mil-anos.ghtml



Urna funerária foi encontrada na Serra da Barriga, em União dos Palmares.
(Foto: Reprodução / TV Gazeta)

sexta-feira, 30 de março de 2018

CONPRESP tomba várias obras modernas paulistanas

Com informações do Núcleo Docomomo SP

Fotos Helio Herbst (Residência Oscar Americano, projeto Oswaldo Arthur Bratke)

Na reunião do CONPRESP (Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo) , em 12/03/2018, foram tombadas várias obras da arquitetura moderna paulistana. Professores/as e pesquisadores/as mobilizaram-em apoio ao tombamento, sendo incluída uma carta elaborada pelo professor José Lira na ata da reunião, reproduzida no final deste texto.

Bem tombados:

Gregori Warchavchik
Edifício Mina Klabin Warchavchik
Conjunto de casas econômicas na Barão de Jaguara
Salão de Festas do Clube Pinheiros

Rino Levi
Laboratório Paulista de Biologia
Conjunto Hospitalar A.C.Camargo
Edifício Porchat
Edifício Trussardi

Convenio Escolar
Escola Estadual Pandiá Calógeras, Mooca
Escola Estadual Brasílio Machado, Vila Mariana
Escola Municipal de Educação Bilíngue para Surdos Helen Keller
Biblioteca Roberto Santos, Ipiranga
Biblioteca Adelpho Figueiredo, Canindé

Rodrigo Lefèvre 
Casa Pery Campos
Casa Dino Zammataro

Oswaldo Bratke
Fundação Oscar e Maria Luisa Americano
Edificio Lineu Gomes

+ Conjunto de 31 edifícios modernos (no bairro de Perdizes)

Casos muito importantes, como obras de Vilanova Artigas, Hans Broos, Paulo Mendes da Rocha, e conjuntos como o Parque das Fontes do Ipiranga e a Cidade Universitária da USP, tiveram seu exame adiado para outra reunião (a ser realizada em 19/03/2018). Parte do conjunto de edifícios modernos propostos para tombamento não foi incluído.

Segue portanto necessário continuar atuando em prol da efetiva preservação desse patrimônio moderno.

Carta elaborada pelo professor José Lira

Ao Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo – CONPRESP
Ilmo. Sr. Cyro Laurenza
Presidente do CONPRESP

São Paulo, 8 de março de 2018

Prezados(as) Senhores(as),

É com profundo interesse que a comunidade arquitetônica e patrimonial de São Paulo vem acompanhando os processos de tombamento e preservação de bens arquitetônicos modernos construídos na cidade entre os anos 1920 e 1970. Afinal, além da excepcional qualidade artística de um bom número deles, em conjunto evocam um momento crucial de afirmação física, social e cultural da metrópole. A força desta arquitetura na configuração da nova ecologia metropolitana é proporcional a seu peso nos processos contemporâneos de expansão e adensamento da malha urbana, verticalização das áreas mais centrais, ascensão de novos padrões residenciais e instalação em toda parte de espaços modernos de trabalho, consumo, lazer, esportes, cultura, educação e saúde.

É verdade que muitos dos marcos arquitetônicos desse processo se perderam nas últimas décadas, substituídos por uma quarta ou quinta camada de urbanização autofágica, ou abandonados à ação da matéria e aos constrangimentos provocados pela marcha inexorável da urbanização, por obras viárias inflexíveis, projetos imobiliários imediatistas e intervenções no mínimo desastradas. De qualquer modo, como em toda grande cidade que se pretenda um polo de civilidade no planeta, aqui e ali, também em São Paulo, alguns deles resistem. Se bem salvaguardados, haverão de afirmar-se como marcos fundamentais de orientação dos cidadãos no espaço e no tempo, de preservação de uma escala humana na megalópole, de coesão social em torno de um sistema cultural urbano comum, essa espécie de acervo vivo de estruturas e figuras nas palavras de Giulio Carlo Argan, capaz de fornecer balizas seguras ao conhecimento e ao desenvolvimento das cidades.

Com a iniciativa de tombamento, oferece-se assim uma resposta consistente com os esforços historiográficos das duas últimas décadas no sentido do conhecimento, valorização e ampliação do corpus de obras de arquitetura moderna paulista, e ao mesmo tempo uma contribuição para a qualificação do ambiente construído local. Trata-se, portanto, de uma iniciativa fortemente enraizada na mais atualizada pesquisa científica, com benefícios inestimáveis para o público em geral, crescentemente interessado pelo patrimônio edificado – vide o sucesso de exposições, publicações e jornadas a seu respeito – assim como para as futuras gerações de habitantes e visitantes da cidade. Preservar esses bens não só salvaguarda a memória de grupos sociais os mais diversos, como garante a densidade histórica, cultural e ambiental necessária para o futuro de uma cidade do porte de São Paulo.

A relevância e a complexidade do acervo em exame é tal que qualquer decisão a respeito de sua preservação deverá se valer das análises qualitativas e dos cuidadosos estudos técnico-patrimoniais que vem notabilizando o Departamento de Patrimônio Histórico desta Secretaria Municipal de Cultura já há mais de três décadas. Neste sentido, é que vimos perante este Conselho Municipal solicitar atenção ao valor patrimonial deste Conjunto de Arquitetura Moderna reunido nos vários processos sob seu zelo, no sentido de sua efetiva preservação pelos meios legais.

Atenciosamente,

Carlos Alberto Cerqueira Lemos (Professor Titular da FAU-USP, Diretor técnico do Condephaat, 1968-1981, Ex-Conselheiro do Condephaat, do Iphan e do Conpresp)

Benedito Lima de Toledo (Professor Titular da FAU-USP, Ex-Conselheiro do Condephaat)

Monica Camargo Junqueira (Professora Associada da FAU-USP, Ex-Conselheira do Conpresp)

Joana Mello de Carvalho e Silva (Professora Doutora da FAU-USP)

José Tavares Correia de Lira (Professor Titular da FAU-USP)

Ana Lúcia Duarte Lanna (Professora Titular da FAU-USP, Ex-Presidente do Condephaat)

Beatriz Mugayar Kuhl (Professora Titular da FAU-USP, Ex-Conselheira do Condephaat)

Cristina Meneguello (Professora Associada IFCH-Unicamp, Conselheira do Condephaat)

Maria Lucia Bressan Pinheiro (Professora Associada FAU-USP, Ex-Conselheira do Condephaat)

Flavia Brito do Nascimento (Professora Doutora da FAU-USP, Conselheira do Condephaat)

Hugo Massaki Segawa (Professor Titular da FAU-USP)

Ruth Verde Zein (Professora Doutora da FAU-Mackenzie)

Luis Recamán Barros (Professor Doutor da FAU-USP)

Silvana Barbosa Rubino (Professora Associada IFCH-Unicamp, Ex-Conselheira do Condephaat)

Guilherme Teixeira Wisnik (Professor Doutor FAU-USP)

Ana Paula Koury (Professora Doutora da FAU-São Judas)

Renato Sobral Anelli (Professor Titular do IAU-USP)

Andrea de Oliveira Tourinho (Professora Doutora da FAU-São Judas)

Fernando Vásquez (Professor Doutor da FAU-São Judas, Coordenador Docomomo-SP)

Helena Ayoub (Professora Doutora da FAU-USP)

Miguel Buzzar (Professor Associado e Diretor do IAU-USP)

Luis Antonio Jorge (Professor Associado da FAU-USP)

Sabrina Fontenele (Professora colaboradora do IFCH-Unicamp)

Paulo Cezar Garcez Marins (Prof. Doutor Museu Paulista da USP, Conselheiro do Condephaat)

Cecília Rodrigues dos Santos (Profa. Doutora da FAU-Mackenzie, Superintendente Iphan-SP)

Carlos Alberto Ferreira Martins (Professor Titular do IAU-USP, Ex-Presidente da ANPARQ)

Ana Lucia Ceravolo (Professora Doutora, Ex-Presidente da Fundação Pró-Memória de São Carlos)

Sarah Feldman (Professora Associada Senior IAU-USP, Conselheira do Condephaat)

Nadia Somekh (Professora Titular da FAU-Mackenzie, Ex-Diretora do DPH-SP)


























Edifício Mina Klabin Warchavchik, 1939 - Foto: Zanella e Moscardi (Acervo Biblioteca FAU-USP).